Vila de Boticas

A vila alonga-se nas margens do ribeiro de Fontão, afluente da margem direita do rio Terva, numa encosta suave voltada para Sul. Em Boticas inicie um passeio descontraído ao longo das margens do ribeiro, palco das comemorações religiosas em honra de Nossa Senhora da Livração. Durante estas festas é costume colocar a imagem de S. Cristóvão no espelho de água do ribeiro. Segundo a lenda, este santo passava as pessoas em ombros, de uma margem para a outra.

O Centro de Artes Nadir Afonso alberga cerca de 80 obras do artista em exposição permanente. No mesmo espaço fica situada a Loja Interativa de Turismo.

Os espaços verdes da vila são museus livres nos quais se exibem edificações rurais, tais como um moinho e uma porta carral, bem como utensílios agrícolas tradicionais, cujo funcionamento apenas se mantém vivo nas memórias dos mais idosos.

Na praça do município não ficará indiferente à réplica da estátua do Guerreiro Galaico ou Castrejo, um dos principais símbolos de Boticas – Poderá saber mais no CEDIEC, Centro Europeu de Documentação e Interpretação da Escultura Castreja, a cerca de 10 minutos a pé. Ao lado, não deixe de visitar o Museu Rural. Um espaço onde se pretende preservar e difundir o património natural, social e cultural do Barroso, mostrando todo o potencial da região.

 

Fonte: Associação de Municípios do Alto Tâmega 2007, Atlas/ Guia das Rotas do Alto Tâmega, Chaves. / Fotografia: TR (exceto Centro de Artes Nadir Afonso: Fernando Guerra/ Fundação Nadir Afonso).

SUGERIR CORREÇÃO

 


PUB